Home
Introdução
Artigos
Avivamento
Curiosidades
Estudos Bíblicos
Edificação
Igreja Pedra Viva
Jóias Raras
Minhas Reflexões
Ministério Cristão
Novas de Alegria
Seleções Notáveis
Fale Comigo
Recomende
teste
Minhas Reflexões
Enviar para um amigo | Versão para impressão | Voltar |  Recomendar
A morte que preserva a vida
Pedro Liasch Filho

Ninguém pode dizer-se servo de Cristo e permanecer no pecado, uma vez que Jesus se manifestou para tirar o nosso pecado. Se alguém está em Cristo, não pode permanecer no pecado, pois nele nãopecado. E mais: quem vive no pecado não reconhece a Jesus nem permanece nele (1Jo 3.4-6).

Assim, para produzir frutos na lavoura do Reino, temos de temer o pecado, detestá-lo e dele viver inteiramente separados. Temos de morrer e permanecer mortos para o pecado. Agostinho disse: Quem foi regenerado em Cristo é um homem livre, ainda que seja escravo; o que vive no pecado é escravo, ainda que seja rei.

Vários aspectos envolvem a produção de frutos. Primeiro, para que possa germinar, crescer e dar frutos, a semente precisa morrer. depois de morta ela libera o seu poder vital. O invólucro da semente se deteriora na terra para que ela possa rebentar e liberar a sua vitalidade, dando origem a uma nova planta viva.

O que tu semeias não é vivificado, se primeiro não morrer” (1Co 15.36);Na verdade, na verdade vos digo que, se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele ; mas se morrer, dá muito fruto” (Jo 12.24).

que é necessário nascer de novo, como disse Jesus a Nicodemos, necessário se faz morrer primeiro, uma vez que renasce quem morreu. Vale dizer que, paradoxalmente, no Reino de Deus, a morte preserva a vida.

Ou estamos mortos para o pecado, vivendo em Cristo, ou vivemos no pecado, estando mortos para Cristo. Portanto, se, por um lado, a vida velha do eu é morte, por outro, a morte do eu é vida. Na verdade, vivemos para morrer e morremos para viver.

Enviar para um amigo | Versão para impressão | Voltar |  Recomendar