Home
Introdução
Artigos
Avivamento
Curiosidades
Estudos Bíblicos
Edificação
Igreja Pedra Viva
Jóias Raras
Minhas Reflexões
Ministério Cristão
Novas de Alegria
Seleções Notáveis
Fale Comigo
Recomende
teste
Novas de Alegria
Enviar para um amigo | Versão para impressão | Voltar |  Recomendar
Ele morreu por mim
Pedro Liasch Filho

 

Era uma tarde ensolarada de uma pequena cidade da Europa Central. O administrador do cemitério local notou que uma jovem triste, chorando silenciosamente, estava em e de cabeça abaixada diante de uma sepultura, em cuja lousa tumular estava inscrito o nome de alguém. Em seguida, abaixando-se, colocou uma coroa de flores sobre a tumba fria e foi se retirando.

Curioso, o administrador aproximou-se e perguntou-lhe de quem era a lápide, sobre a qual ela estava chorando. Era do seu pai? Da sua mãe? Do seu irmão? Do seu namorado? Ela respondeu: Não, não é do meu pai, nem da minha mãe, nem do meu irmão, nem do meu namorado. E prosseguindo, ainda com lágrimas nos olhos, disse-lhe a jovem: É do homem que, em sacrifício, se ofereceu para me salvar de um terrível incêndio há 20 anos atrás. Na verdade, ele morreu por mim.

Tudo aconteceu quando a casa, onde residia com a mãe, viúva, pegou fogo. Quando irrompeu o incêndio, a menina estava dormindo sozinha, uma vez que a mãe tinha saído para fazer compras. Avisados pelos vizinhos, enquanto as labaredas consumiam tudo quanto era inflamável, os bombeiros chegaram e começaram a combater o fogo, como sempre o faziam, heroicamente.

No entanto, em meio a todo aquele alvoroço, aparece a pobre mãe, em gritos, desesperada, chamando pela filha, tentando penetrar a casa em chamas, a fim de salvá-la. Impedindo-a, porém, o comandante dos bombeiros disse-lhe que se entrasse na casa naquelas circunstâncias, seria morte certa.

No mesmo instante, apareceu um soldado pedindo permissão para entrar e procurar a criança, mas também foi impedido pelo capitão. Ainda assim, o bravo soldado do fogo, replicando, perguntou-lhe: Eu também tenho uma pequena menina em casa. Se fosse ela que agora estivesse dentro em perigo de vida, eu não poderia tentar salvá-la?  Como não obteve resposta negativa, o soldado lançou-se para dentro da casa em chamas, e foi procurar a garotinha.

Com efeito, correndo um grande risco de vida, subindo pelo que ainda restava da escada em labaredas, o bombeiro encontrou a menina que acabava de acordar, assustada e chorando, quase sufocada pela fumaça. Enquanto, porém, a retirava do berço, protegendo-a sob seus braços fortes, eles ouviram um estrondo. Era a escada que, consumida pelo fogo, acabava de desabar, impedindo que o heróico soldado pudesse descer, vindo assim a salvar a criança.

Indo para o outro quarto, a fim de tentar escapar por uma janela que se encontrava aberta, percebeu que seria isso impossível, uma vez que dos armários, camas e colchões formava uma grande labareda, impedindo-os de chegar à janela. Desesperado, ele procurou outras saídas, mas não encontrou.

Voltando-se, porém, para o quarto em chamas, o soldado gritou para os companheiros com grande voz: Soldados, vocês estão me ouvindo? Tendo obtido resposta positiva, ele gritou de novo: Estendam a rede próximo da janela, por onde eu lançarei a menina. Ouviram? Eles disseram que sim e prepararam a rede como tinha o bombeiro pedido.

Logo em seguida, gritaram: Estamos prontos. Por fim, o soldado, com grande esforço, jogou a menina, fazendo-a voar pela janela. Preparados do outro lado, abaixo, estavam os bombeiros que, para a alegria de todos, a recolheram com total segurança. A mãe da criança e todos os presentes, emocionados, chorando, diziam: Ela está salva.

A alegria, porém, durou pouco, uma vez que, desmoronando-se a casa em chamas, o bombeiro, herói e salvador, ficou sepultado sob os destroços flamejantes. Nada mais podiam fazer. Ele morreu para salvar a menina.

É compreensível que alguém possa demonstrar uma tão grande gratidão, como o fez aquela jovem a respeito do bombeiro que fora o seu salvador, libertando-a do fogo e da morte. Nada mais justo do que tão sincera homenagem.

E quanto a nós? Reconhecemos também com a mesma, senão, aliás, com maior gratidão àquele que, numa rude cruz, há mais de dois mil anos, morreu por nós? Na verdade, Jesus morreu pelos pecados, uma vez por todas, o justo pelos injustos, para conduzir-nos a Deus (1Pe 3.18). O profeta Isaias diz que ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniqüidades, pois o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados (Is 53.5).

A Bíblia diz também que devemos dar graças ao Pai, que nos tornou dignos de participar da herança dos santos. Pois nos resgatou do domínio das trevas e nos transportou para o Reino do seu Filho amado, em quem temos o perdão dos pecados (Cl 1.13, 14).

E mais: Deus prova o seu amor para conosco, pelo fato de haver Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores (Rm 5.8). Pois ele se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras (Tt 2.14).

Apodere-se, pois, hoje mesmo dessa gloriosa salvação confessando seus pecados e consagrando sua vida a Jesus. Está escrito que se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça (1Jo 1.9).

Adaptado de uma publicação de A. J. Oscar Ott, 1960.

Enviar para um amigo | Versão para impressão | Voltar |  Recomendar